SISTELO - "O Pequeno Tibete Português"

By Paula Abreu

A aldeia de Sistelo situa-se no concelho de Arcos de Valdevez, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gêres, junto à nascente do rio Vez. Famosa pelas suas paisagens em socalcos, onde se cultiva o milho e pasta o gado, a aldeia encontra-se muito bem preservada, tendo sido recuperadas as casas típicas de granito, os espigueiros e os lavadouros públicos.

 

Um dos últimos paraísos do Portugal genuíno!

O Castelo de Sistelo, ex-líbris da aldeia, merece uma cuidadosa visita: trata-se de um palácio de finais do século XIX onde viveu o Visconde de Sistelo.

Deambule pelas ruelas de Sistelo e aprecie a Igreja Paroquial, a Casa do Visconde de Sistelo, a Ponte Romana e o Moinho, a ponte de Sistelo de jusante, a Ermida de Nossa Senhora dos Aflitos e as Capelas de Santo António, de São João Evangelista, da Senhora dos Remédios e da Senhora do Carmo.

 

Não deixe de subir ao miradouro do Chã da Armada para admirar a magnífica vista panorâmica!

Se é apreciador de caminhadas na natureza, percorra o Trilho das Brandas de Sistelo (10 km), que tem início na aldeia, e fique a conhecer as brandas de Rio Covo, em Sistelo, do Alhal, no Padrão, e da Cerradinha, terrenos que, durante o verão, serviam de apoio à pastorícia.

O artesanato característico da aldeia é composto pelas meias redondas de lã e pelos aventais de lã. Aproveite e traga algumas peças de recordação!

 

Na margem esquerda do Rio Vez, Sistelo ostenta um interessante património arquitectónico e convida-nos a subir à serra por caminhos sinuosos, na peugada de pastores e de gados, em direcĉão às brandas e às pastagens de altitude.

SISTELO - O Pequeno Tibete Português

A Aldeia de Sistelo faz parte do município de Arcos de Valdevez, e para mim, é das aldeias mais deslumbrantes que vi até hoje, sobretudo pela beleza dos socalcos que a rodeiam.

A construção destas plataformas surgiram pela necessidade de aumentar os espaços  agrícolas e de oposição aos declives. É devido a estas características especiais do seu território, que Sistelo é conhecido como o Pequeno Tibete Português! 


Retrato de um dia em SISTELO

O tempo que se fez tempo...em tempo sem tempo!

Por estas bandas há um caminho que se faz de passado e um tempo, quase parado, à procura de futuro. 

As horas passam lânguidas entre a degustação do presente e a entoação cantada, na continuidade do fazer. 

Tudo o que está começado terá infinito tempo para se concluir. Quiçá para que NADA termine…

SISTELO - O Pequeno Tibete Português

Arcos de Valdevez - MINHO - Portugal


E quem disse que em Portugal não há praias tropicais? Em Ecovia do VEZ - SISTELO

O Minho...o nosso Minho!

E quando julgamos não haver mais pra se ver, eis que se nos depara pela frente, algo diferente...algo Arrebatador:

SISTELO - O pequeno Tibete Português!!!

Há quem lhe chame "o pequeno Tibete português" devido aos socalcos que gerações ali esculpiram.

Nesta altura do ano, já é de um verde brilhante que se pintam os socalcos de Sistelo.

Vista do alto da serra, a aldeia parece ainda mais pequena do que, na realidade, é. 

As casas tradicionais, os moinhos e os espigueiros perdem dimensão face à imponência daquele vale muito inclinado e encaixado, no fundo do qual corre o rio Vez.

É esta paisagem que a população local teme que mude para sempre, caso seja aprovada a construção de uma central hidro-eléctrica junto desta aldeia de 300 habitantes.

O equilíbrio dócil do rio Vez em Sistelo, Arcos de Valdevez. Ver, brincar, amar - mas nunca estragar!


ALMA LUSITANA!! ...a Terra e o Homem... A rudeza de caminhos ancestrais é partilhada por animais e seres humanos em Padrão e Sistelo.


O caminho das pedras é DIFÍCIL...mas cheio de POESIA...

A vida é o que acontece enquanto perdes tempo a pensar no que é a vida.

Para se descobrir novas trilhos, deve-se estar disposto a perder a terra de vista por um longo tempo.

SISTELO - Arcos de Valdevez - Minho

Ambiente limpo não é o que mais se limpa, mas sim o que menos se suja...