Pastelaria Versailles, Lisboa

GPS:38°44'7.67"N 9° 8'44.07"W

Pastelaria Versailles – Lisboa

O barulho constante do trânsito a passar na avenida não é incomodativo, por estranho que pareça. Estamos, afinal de contas, num local cosmopolita e numa das artérias mais importantes da capital do país. E é isso que a Versailles sempre foi, uma pastelaria de requinte para uma capital europeia.

O próprio prédio onde a Versailles está incluída é digno de nota. As linhas arrojadas tornam-no num edifício icónico na cidade. No rés-do-chão estende-se a esplanada por baixo de grandes guarda-sóis brancos. Nós decidimos entrar. A primeira coisa que salta à vista é a enorme extensão do balcão que percorre todo o comprimento da sala. Por baixo reluzem os bolos e doces de fabrico próprio que dão fama ao café.

O nome não foi escolhido ao acaso. A Versailles abriu as suas portas em 1922 sob a denominação “Patisserie Versailles” (a influência francesa tinha uma grande importância para a sociedade da época). Os seus proprietários esperavam trazer o esplendor e o requinte do símbolo da sofisticação francesa. Grandes lustres pendem do tecto emoldurado. Nas paredes podem-se observar pinturas que ilustram os idílicos lagos do Palácio de Versailles. Até o chão, num axadrezado em mármore, é uma imagem de marca do Versailles.

A sala de refeições está dividida em duas partes. A principal segue paralela ao balcão, mas existe, também, um pequeno patamar cujo elemento mais significativo é o esplendoroso vitral.

Visitar o Versailles é recuar até aos anos 1920, ao glamour dos encontros nos cafés, à época em que frequentar uma pastelaria era quase exclusivamente para a elite da sociedade. Hoje em dia esse facto está mais democratizado, mas o café continua a ser frequentado pelo meio artístico e político.

Para além da pastelaria variada, a Versailles serve, igualmente, refeições diárias, chás e chocolates quentes.

GPS:  38°44'7.67"N  9° 8'44.07"W

Avenida da República, 15, Lisboa

GPS:38°44'7.67"N 9° 8'44.07"W