Café "A Brasileira", Lisboa

GPS: 38°42'38.20"N 9° 8'31.54"W

GPS:  38°42'38.20"N 9° 8'31.54"W

 Alguns cafés são especialmente conhecidos pela ligação que têm com personalidades marcantes. É o caso do Café São Gonçalo, em Amarante, com o poeta Teixeira de Pascoaes, já em Lisboa, o Nicola com o Bocage ou o Martinho da Arcada com Fernando Pessoa. E é justamente Fernando Pessoa que também tem uma ligação com a Brasileira do Chiado.

Pode ser dele a estátua de bronze que está actualmente na esplanada, mas outras figuras brilhantes das artes passaram por estas mesas a tomar o seu café como, por exemplo, Almada Negreiros, Eduardo Viana ou Bernardo Marques.

Quando as portas abriram, in 1905, a Brasileira nem vendia café à chávena, apenas sacos de grão. Foi o seu proprietário, Adriano Telles que teve a brilhante ideia de oferecer uma chávena de café a quem comprasse um saco que popularizou a ideia. A partir daí foi um constante crescimento de pessoas à procura do “verdadeiro café do Brasil”, imagem de marca da Brasileira.

Não fique apenas pela esplanada, certamente que vai achar o interior impressionante. Repare no tecto ricamente trabalhado, nos candeeiros pendurados, nos pormenores em madeira, nos espelhos, nos quadros ou no longo balcão que conduz o seu olhar para o relógio de parede ao fundo. Os tons quentes dão uma atmosfera acolhedora ao local.

Este é um dos locais mais procurados pelos turistas que visitam a cidade de Lisboa, pelo que a quantidade de pessoas pode tornar-se caótica, de qualquer das formas, não deixe de parar por uns minutos na Brasileira do Chiado para um pastel de nata acompanhado de um aromático café.

Rua Garrett, 120/122, Chiado, Lisboa

GPS:  38°42'38.20"N 9° 8'31.54"W

Café "A Brasileira", Lisboa GPS: 38°42'38.20"N 9° 8'31.54"W