Não penses no que queres fazer. Pensa, isso sim, no que queres sentir. Não é o acto em si que procuras: é aquilo que esse acto te traz. Não queres a água. Queres a cura para a sede.