SISTELO - "O Pequeno Tibete Português"

By Paula Abreu

A aldeia de Sistelo situa-se no concelho de Arcos de Valdevez, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gêres, junto à nascente do rio Vez. Famosa pelas suas paisagens em socalcos, onde se cultiva o milho e pasta o gado, a aldeia encontra-se muito bem preservada, tendo sido recuperadas as casas típicas de granito, os espigueiros e os lavadouros públicos.

 

Um dos últimos paraísos do Portugal genuíno!

O equilíbrio dócil do rio Vez em Sistelo... Ver, brincar, amar - mas nunca estragar!

Deambule pelas ruelas de Sistelo e aprecie a Igreja Paroquial, a Casa do Visconde de Sistelo, a Ponte Romana e o Moinho, a ponte de Sistelo de jusante, a Ermida de Nossa Senhora dos Aflitos e as Capelas de Santo António, de São João Evangelista, da Senhora dos Remédios e da Senhora do Carmo.

O Castelo de Sistelo, ex-líbris da aldeia, merece uma cuidadosa visita: trata-se de um palácio de finais do século XIX onde viveu o Visconde de Sistelo.

Não deixe de subir ao miradouro do Chã da Armada para admirar a magnífica vista panorâmica!

Se é apreciador de caminhadas na natureza, percorra o Trilho das Brandas de Sistelo (10 km), que tem início na aldeia, e fique a conhecer as brandas de Rio Covo, em Sistelo, do Alhal, no Padrão, e da Cerradinha, terrenos que, durante o verão, serviam de apoio à pastorícia.O artesanato característico da aldeia é composto pelas meias redondas de lã e pelos aventais de lã. Aproveite e traga algumas peças de recordação!

Na margem esquerda do Rio Vez, Sistelo ostenta um interessante património arquitectónico e convida-nos a subir à serra por caminhos sinuosos, na peugada de pastores e de gados, em direcĉão às brandas e às pastagens de altitude.




SISTELO - O Pequeno Tibete Português

A Aldeia de Sistelo faz parte do município de Arcos de Valdevez, e para mim, é das aldeias mais deslumbrantes que vi até hoje, sobretudo pela beleza dos socalcos que a rodeiam.A construção destas plataformas surgiram pela necessidade de aumentar os espaços  agrícolas e de oposição aos declives. É devido a estas características especiais do seu território, que Sistelo é conhecido como o Pequeno Tibete Português! 



Retrato de um dia em SISTELO

O tempo que se fez tempo...em tempo sem tempo!

Por estas bandas há um caminho que se faz de passado e um tempo, quase parado, à procura de futuro. As horas passam lânguidas entre a degustação do presente e a entoação cantada, na continuidade do fazer. 

Tudo o que está começado terá infinito tempo para se concluir. Quiçá para que NADA termine…

Ambiente limpo não é o que mais se limpa, mas sim o que menos se suja...

O MINHO...O nosso Minho!

E quando julgamos não haver mais pra se ver, eis que se nos depara pela frente, algo diferente...algo Arrebatador.!! Há quem lhe chame "o pequeno Tibete português" devido aos socalcos que gerações ali esculpiram.Nesta altura do ano, já é de um verde brilhante que se pintam os socalcos de Sistelo. Vista do alto da serra, a aldeia parece ainda mais pequena do que, na realidade, é. As casas tradicionais, os moinhos e os espigueiros perdem dimensão face à imponência daquele vale muito inclinado e encaixado, no fundo do qual corre o rio Vez. É esta paisagem que a população local teme que mude para sempre, caso seja aprovada a construção de uma central hidro-eléctrica junto desta aldeia de 300 habitantes.

Para se descobrir novas trilhos, deve-se estar disposto a perder a terra de vista por um longo tempo. SISTELO - Arcos de Valdevez - Minho

ALMA LUSITANA!! ...a Terra e o Homem... A rudeza de caminhos ancestrais é partilhada por animais e seres humanos em Padrão e Sistelo.

O caminho das pedras é DIFÍCIL...mas cheio de POESIA...